14 mar - 13:06

CAMPEÃO DE 2017 CONFIRMA DEFESA DO TÍTULO

PABLO CARREÑO-BUSTA REGRESSA A “TORNEIO TALISMÔ

Pablo Carreño-Busta, campeão em título e 14º do ranking mundial, regressa este ano ao Clube de Ténis do Estoril para defender o troféu conquistado em 2017 – anunciou hoje a 3Love, entidade organizadora do Millennium Estoril Open. A quarta edição do único evento nacional incluído no calendário do ATP World Tour realiza-se entre 28 de abril e 6 de maio, estando a apresentação oficial agendada para o próximo dia 28 de março, às 11h30, na Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais.

Com 26 anos, o espanhol de Gijón é o tenista com o melhor conjunto de resultados na história do jovem torneio português – tendo sido semifinalista na edição inaugural, finalista em 2016 e vencedor em 2017. O seu triunfo de há um ano catapultou-o para a sua melhor época de sempre, estreando-se um mês depois nos quartos-de-final de um torneio do Grand Slam em Roland Garros e melhorando esse registo em setembro com o acesso às meias-finais do Open dos Estados Unidos. Encerrou a temporada com passagem pelo top 10 e a participação na cimeira de encerramento de época que reuniu a fina-flor do circuito profissional masculino em Londres (Nitto ATP Finals). Pablo Carreño-Busta junta-se assim ao sul-africano Kevin Anderson, atual número 9 mundial (com quem joga esta noite nos oitavos-de-final do Masters 1000 de Indian Wells), ao número um britânico Kyle Edmund e ao australiano Nick Kyrgios no lote de participantes já desvelados pela 3Love.

“Estou muito contente por confirmar o regresso do Pablo Carreño-Busta que personifica todas as qualidades superlativas da escola espanhola, que tem dominado o top 100 mundial e estendido a sua competência a todos os tipos de piso”, comenta o diretor do torneio João Zilhão. “Não só é extremamente competitivo como também forte mentalmente e cada vez mais completo tecnicamente, tendo mesmo assinado com virtuosismo alguns dos melhores pontos já disputados no Tour este ano. O brilharete conseguido no Open dos Estados Unidos e a sua estreia no top 10 mundial fez subir muito a sua cotação, mas fizemos questão de assegurar a sua presença porque ele tem contribuído muito para a história da competição e há igualmente que contar com o muito público que vem de Espanha para assistir ao Millennium Estoril Open”.

MOMENTOS INOLVIDÁVEIS EM PORTUGAL

As declarações prestadas pelo próprio Pablo Carreño-Busta refletem bem o reconhecimento que ele atribui ao seu trajeto em solo luso. “Sempre joguei bem em Portugal e o Millennium Estoril Open tem-se revelado um torneio talismã na minha carreira”, sublinha o espanhol, que teve por ídolo de infância um compatriota também muito bem sucedido no nosso país: o antigo número um mundial Juan Carlos Ferrero. “Cheguei às meias-finais em 2015, estive muito perto de ganhar a final de 2016 e, em 2017, ganhei o meu primeiro título enquanto primeiro cabeça-de-série, dando-me muita confiança para seguidamente conseguir os meus melhores resultados em torneios do Grand Slam e entrar no top 10. Para além disso, gosto muito da zona de Cascais e do Estoril, da gastronomia e da excelente hospitalidade que a organização sempre providencia”.

Uma grave hérnia discal que quase arruinou a sua carreira em 2012 não o impediu de regressar em força e ganhar 35 encontros consecutivos em 2013, colecionando sete títulos Future, quatro troféus Challenger e atingindo a sua primeira meia-final do circuito principal no anterior evento português do ATP World Tour jogado no Jamor. A ascensão de 650 lugares para acabar a época como 66.º na hierarquia valeu-lhe ser eleito como ‘Most Improved Player of the Year’ pelo ATP World Tour.

Continuou a progredir paulatinamente no ranking nos anos seguintes e a experiência adquirida na equilibrada final do Millennium Estoril Open de 2016 diante de Nicolás Almagro – só perdeu ao cabo de duas horas e 47 minutos, pelos parciais 6-7 (6/8), 7-6 (7/5) e 6-3 – ajudou-o a ganhar os seus primeiros títulos do ATP World Tour nas duas finais que jogou a seguir, curiosamente ambos alcançados em hardcourts. O primeiro em Winston-Salem (EUA), após derrotar dois adversários do top 20: Pablo Cuevas e Roberto Bautista-Agut; o segundo dois meses mais tarde, em Moscovo, após sucesso sobre Fabio Fognini no derradeiro encontro da Kremlin Cup.

Em 2017, a crescente maturidade de Pablo Carreño-Busta começou por ser bem visível quando foi chamado a disputar o quinto e decisivo encontro da difícil eliminatória da Taça Davis na Croácia, confirmando o acesso da Espanha aos quartos-de-final do Grupo Mundial. Depois, teve bons resultados no circuito sul-americano e a recompensa pela boa forma surgiu logo a seguir, com a qualificação para as meias-finais do Masters 1000 de Indian Wells, que lhe permitiu estrear-se no top 20. No Clube de Ténis do Estoril, vingou-se de Nicolás Almagro e ultrapassou duas glórias do ténis espanhol, Tommy Robredo e David Ferrer, para na final contrariar o ténis ofensivo de Gilles Muller (6-2 e 7-6). Em Roland Garros, só foi travado pelo futuro campeão Rafael Nadal e por uma lesão abdominal (foi forçado a desistir no encontro dos quartos-de-final). Regressou ao circuito no verão e concluiu a gira norte-americana com a presença nas meias-finais do Open dos Estados Unidos, perdendo para o mesmo Kevin Anderson que defronta hoje em Indian Wells.

No principal torneio do ano em curso, sucumbiu nos oitavos-de-final do Open da Austrália com o futuro finalista Marin Cilic – após equilibrada maratona de três horas e meia.

As façanhas de Pablo Carreño-Busta não se resumem aos singulares. Entre 2016 e 2017 conquistou igualmente três títulos na variante de pares que fizeram dele o 16º tenista mundial da especialidade: em Pequim (ao lado do campeoníssimo Rafael Nadal), em Quito (com Guillermo Duran) e no Rio de Janeiro (em parceria com Pablo Cuevas). Foi ainda quatro vezes finalista nessa variante, com destaque para o US Open de 2016, ao lado de Guillermo Garcia-Lopez, o compatriota com quem ao atingiu as meias-finais do Open da Austrália em 2017.

BILHETES À VENDA

Os bilhetes para a edição de 2018 do Millennium Estoril Open, um evento que é incontornável no panorama desportivo português, continuam a vender-se a bom ritmo.

As crianças até aos 6 anos têm entrada gratuita no recinto (exceto no Estádio Millennium) desde que acompanhadas por um adulto. Para os mais novos, o recinto dispõe de um Kids’ Place, gratuito para crianças dos 3 aos 8 anos. A idade mínima para aceder ao Estádio Millennium (Court Central) é de 6 anos.

A aquisição dos ingressos pode ser feita na Blueticket (www.blueticket.pt), bilheteira oficial do Millennium Estoril Open 2018 e locais habituais.

patrocinadores
;