02 mai - 17:53

Batalha histórica de Sousas sorri de forma épica a João

Em jogo, um lugar na história do Millennium Estoril Open. Em campo, dois homónimos que prometiam dividir o público e como resultado um excelente duelo que dificilmente sairá da memória dos que o presenciaram.

A ocasião era grande e por isso o Estádio Millennium encheu. Afinal, em jogo estava a passagem aos quartos de final do Millennium Estoril Open, um feito que nas três edições anteriores ainda não tinha sido alcançado. E foi João Sousa quem o conseguiu fazer, ao sair por cima de um duelo com contornos dramáticos frente a Pedro Sousa com os parciais de 4-6, 7-6(1) e 7-5 ao fim de 2h23 de encontro.

Dez anos depois do primeiro encontro, também em terras lusas mas na fase de qualificação no Jamor, João e Pedro voltaram a cruzar caminhos. Desta vez, mais do que nunca, dividindo os portugueses -- e dando muito, muito espetáculo.

Surpreendente. Talvez seja essa a melhor forma de descrever o arranque de Pedro Sousa. Sobretudo para quem o viu, cerca de 48h antes, celebrar a vitória no (grande) duelo frente ao muito experiente e credenciado Gilles Simon deitado na terra batida. Mas a verdade é que se houve algo que não faltou neste reencontro de Sousas foi frescura física, sobretudo nos primeiros instantes e por parte do lisboeta, que nos três sets entrou decidido e a quebrar num dos primeiros jogos.

Com inícios semelhantes (3-1), os dois primeiros parciais construíram-se depois de formas diferentes: no primeiro, Pedro Sousa não conseguiu manter o break de vantagem, aproveitando depois o jogo de serviço do compatriota para impingir a João Sousa nova quebra e, aí sim, ganhar vantagem, enquanto no segundo o break e consequente liderança por 3-1 parecia suficiente. Só que em duelos destes não é aconselhável tirar conclusões precipitadas e o número 1 nacional provou-o, ao quebrar o serviço de Pedro quando este servia para o encontro. Mal sabiam os presentes, mas o que aí vinha seria o prolongar do duelo a um tal ponto que tem de ser considerado um dos mais épicos da história do ténis português.

Com match points para cada lado, João e Pedro “encaixaram” peças e entraram num mano a mano que levou os quase 3.000 espetadores presentes a um estado de êxtase. Nervos, drama e muito ténis foram os ingredientes deste duelo de 2h27 que só ao 12.º jogo do último parcial conheceu vencedor: foi João, o primeiro a enfrentar match points mas último a sorrir, que assim chega aos quartos de final do Millennium Estoril Open pela primeira vez.

patrocinadores
;